Carnaval

O que acontece nessa época do ano que todo mundo fica com o capeta no corpo? Quando falamos em carnaval, logo nos vem a cabeça, festa, folia, amores passageiros, bebidas, entre outras coisas. Para muitas pessoas, Carnaval não combina com relacionamentos sérios.

Carnaval combina com relacionamento?

Mas se estamos num relacionamento sério? Brincamos juntos? Separados? Abrimos a relação? É traição? Vale o ciúme?

A maioria afirmam que aproveitam os dias de folia junto com o parceiro em um baile de Carnaval, bloquinhos ou em um trio elétrico.

Não existe uma regra, ou uma formula, cada casal vai definir e decidir como ira brincar o carnaval e como irão se comportar. Antes de mais nada a pessoa precisa ser fidedigna a ela mesma.

Terminar para curtir o carnaval?

O ser humano é altamente influenciável pela mídia, pelos amigos ou por qualquer forma que o mundo tem de dizer “sério que você vai perder isso?”. Celular desligado, abadá na mão, uma coleção de beijos fantasmas, ressaca e várias tentativas, às vezes frustradas, de um sexo descompromissado em algum beco de alguma ruela.

Eu até respeito quem tenha terminado o relacionamento para curtir o carnaval, mas não venha depois na maior cara de pau querer voltar o relacionamento com o argumento de um suposto arrependimento. A não ser que seja o combinado. Valendo para os dois.

A gente quer viver tudo intensamente, mas na maioria das vezes não conseguimos curtir as vantagens da estabilidade.

Maturidade é quando você pensa em todos fatores relacionados antes de tomar alguma atitude.

A maioria afirma que o Carnaval não é um empecilho para quem deseja ter um relacionamento sério, e do que levariam adianta um relacionamento com alguém que conheceu durante os dias de folia.

Você já terminou uma relação seria por causa do carnaval? Qual foi sua maior loucura de  carnaval? Tem coragem de me contar?

Psicóloga clínica de 54 anos formada há mais de 25 anos pela Faculdades Metropolitanas Unidas, com vasta experiência na área clínica. Especialista em terapia de casal e família, sexualidade, tratamento de transtornos de ansiedade, síndromes, fobias e depressão.